Uma das palavras da moda hoje no mundo dos negócios se chama Open Banking, mas o que é? Onde vivem? Do que se alimentam?

O Open Banking promete modificar a forma como todo o mercado financeiro funciona, impactando bancos, fintechs e etc. 

Em tradução literal para o português significaria algo “banco aberto” ou “abertura dos serviços bancários”. 

O ecossistema bancário irá mudar, a grande mudança vêm do compartilhamento de dados, produtos e serviços pelas instituições financeiras e autorizadas, a critério dos próprios clientes.

Mas o que é Open Banking?

O conceito tem um princípio simples: abrir a gama de opções para o consumidor final, permitindo assim que possua uma maior liberdade para migrar as suas informações financeiras para onde quiser.

O princípio que norteia o Open Banking, como dito acima, é entregar ao consumidor a propriedade dos seus dados, anteriormente fechados sob posse dos bancos.

Com o sistema será permitido que empresas e serviços acessem os dados dos clientes, claro com autorização do mesmo. Ou seja, os dados bancários pertencem somente aos clientes e não às instituições, sendo possível movimentar suas contas a partir de diferentes plataformas, não só por aplicativos ou internet banking.

De acordo com uma pesquisa realizada, pela PwC, se espera que em 2022 o Open Banking crie oportunidades de receita de pelo menos 7,2 bilhões de Euros.

No Brasil, a implantação do Open Banking se deu no primeiro semestre de 2019, com o Banco Central informando as diretrizes em que as empresas devem se guiar junto ao movimento. 

Segundo o BC, o modelo nacional de Open Banking deve ser efetivamente implementado de fato no segundo semestre de 2020. A principal referência brasileira vem do modelo britânico, principalmente pelas características similares do mercado bancário.

Open Banking na prática

Com o Open Banking, o cliente terá acesso ao histórico feito ao longo de décadas junto a um banco, como contas pagas, salários, prestações e empréstimos.

Podendo resgatar todas essas informações e disponibilizá-las  para onde quiser, sem a necessidade de iniciar um novo relacionamento do zero com a outra instituição.

Hoje sem o Open Banking esta transição é um processo burocrático e através de uma tecnologia chamada API, os sistemas dos bancos poderão trocar informações e facilitar o processo ao cliente.

O Open Banking só será possível com a tecnologia API, disponibilizando a base tecnológica em um ecossistema, possibilitando que outras empresas tenham acesso às suas interfaces e possam criar novos serviços a partir disso.

Com as APIs os usuários podem transitar livremente entre as instituições financeiras, de maneira segura. Caberá apenas aos clientes as opções de quais empresas terão ou não os seus dados.

Open Banking e API

A API é uma tecnologia facilitadora, em que permite a integração de diferentes sistemas entre si. As APIs funcionam como uma interface para falar com outros sistemas, permitindo que sistemas diferentes interajam entre si.

Ajudando na democratização da internet, as APIs abertas para a comunidade, facilitam a criação de outros produtos com base nas mesmas.

Um exemplo muito comum é o Google Maps, utilizado por inúmeros sites e aplicativos, através de uma API, permitindo que qualquer desenvolvedor possa construir aplicações integradas ao serviço da Google.

Facilitando os processos, as APIs tem o intuito de democratizar o mercado financeiro.

Existem duas etapas que os bancos e instituições financeiras podem percorrer para tornar o Open Banking um grande negócio.. 

Primeiro, desenvolver uma API eficaz, em termos de funcionalidades, estando à frente dos principais concorrentes.

Posteriormente, é necessário ofertar as melhores experiências digitais para o consumidor, com interfaces intuitivas e ágeis, tornando assim possível a atração de novos consumidores, a partir de ofertas criadas pela abertura de novas informações disponibilizadas pelos dados dos usuários.

Principais Vantagens do Open Banking

Como já escrito aqui neste mesmo blog, o Open Banknig trará vantagens e oportunidades no mercado.

Fortalecendo o processo de inovação dos bancos, o Open Banking, dará aos clientes o poder de gerir seus próprios dados, permitindo assim que as instituições financeiras foquem em seus serviços principais.

Com a mudança do cenário onde os dados bancários pertencem aos clientes e não às instituições, as pessoas irão movimentar suas contas.

Ou seja, a experiência do usuário irá melhorar, sendo que os produtos financeiros dos bancos podem ser fornecidos em diversas plataformas, abrindo assim um leque de opções que o usuário pode escolher.

Com o acirramento da concorrência entre as instituições financeiras, há uma tendência de melhoria na oferta de serviços. Com o compartilhamento de dados e informações, os bancos poderão ter melhores insights para o desenvolvimento de soluções.

Além disso os custos irão diminuir: com as APIs abertas, os sistemas estarão mais integrados, tornando os processos mais rápidos e baratos.

Oportunidades criadas pelo Open Banking

Como já dito ao decorrer deste texto, o Open Banking traz diversas oportunidades de negócios. Se espera muito que o Open Banking abra um leque de novas brechas no mercado.

De primeira instância, a expectativa é que muitas das oportunidades serão geradas por players menores, como fintechs, enquanto os bancos irão precisar se inovar, modificando processos e se adaptando à novas realidades.

Algumas dessas oportunidade vem para a geração de receitas, exemplo, modelos pay for use, com assinaturas ou custos para a utilização de determinados serviços.

Visando uma maior geração de receitas é possível conquistar um maior market share, adquirindo e retendo mais clientes, ofertando produtos personalizados, entendendo cada vez mais as necessidades dos consumidores.

Existe uma diferença entre as oportunidades dos grandes bancos e os players menores; para os bancos existe uma grande oportunidade de ocupar fatias maiores no mercado, entendendo melhor o seu público através dos dados. Para os players menores, será possível ter ações mais assertivas, baseadas no comportamento do consumidor.

Experiência do usuário

A geração dos Millennials chegaram à idade adulta e junto com eles veio o aumento das ofertas de serviços.

Estes serviços não foram feitos diretamente para eles, mas oferecem uma pluralidade de opções dentro da plataforma, vide exemplo Netflix e Spotify. Apaixonando não somente os Millennials, se propagando para todas as gerações.

O Open Banking criará uma disrupção no setor financeiro, criando uma situação similar para o usuário. Os produtos ofertados pelos bancos podem ser produzidos em diversas plataformas, podendo ser especializadas em um único tipo de produto, como seguros, assim o usuário amplia o seu leque de escolhas.

Com a aprovação do Open Banking, a esperança é de que se possa flutuar entre diferentes serviços, com os usuários escolhendo a instituição financeira que melhor lhe satisfaça, aumentando a concorrência e melhorando a qualidade dos produtos e atendimento.

Desafios do Open Banking

Mesmo sendo um movimento que gera uma expectativa otimista no cenário nacional por todos os impactos que podem gerar no mercado, os desafios são tão grandes quanto a expectativa.

O primeiro grande desafio parte da questão cultural  de todos os players do mercado, sendo eles, instituições financeiras. bancos, usuários e até mesmo o Banco Central, como órgão regulamentador.

Uma outra incerteza que cerca o movimento é de que o Open Banking só funciona caso os consumidores confiem no processo do mesmo. Portanto, inicialmente é possível que o processo não seja tão rápido.

A proteção dos dados e a segurança da informação também são fatores desafiadores, são questões fundamentais e que devem ser implantadas com cuidado. Na segurança dos  dados, o blockchain irá trazer transparência nos processos.

Mesmo com inúmeros desafios a regulação e as tecnologias no cenário nacional vem avançando e evoluindo para o sucesso do Open Banking.

Bank as a Service

Os softwares mudaram os serviços, até na nossa forma de pedirmos um jantar e nas transações online não é diferente. O banking as a service é um serviço personalizado de acordo com os hábitos dos consumidores e acessível de qualquer dispositivo.

Diferente de um banco convencional, em que os pacotes já estão fechados, no Banking as a Service (BaaS) os serviços são feitos sob demanda, personalizando os produtos e serviços de acordo com as preferências do consumidor.

open banking